TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS – RESOLUÇÃO CMN Nº 4.817/2020 NÃO CONTEMPLA MODIFICAÇÃO OU ADOÇÃO DE MÉTODOS OU CRITÉRIOS CONTÁBEIS, OU A REFERIDA MODIFICAÇÃO OU ADOÇÃO NÃO PRODUZ EFEITOS NA APURAÇÃO DOS TRIBUTOS FEDERAIS

Publicado em: 3 de março de 2022

O Ato Declaratório Executivo COSIT nº 29/2021 declara que a Resolução CMN nº 4.817/2020 não contempla modificação ou adoção de métodos ou critérios contábeis, ou referida modificação ou adoção, caso seja empregada pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, não produz efeitos na apuração dos tributos federais.

De acordo com a norma em referência:

a) o deságio previsto no inciso IX do art. 2º da Resolução CMN nº 4.817/2020, será submetido ao tratamento tributário conferido ao ganho por compra vantajosa a que se referem o § 6º do art. 20 do Decreto-Lei nº 1.598/1977, e o § 10 do art. 178 da Instrução Normativa RFB nº 1.700/2017; e

b) a diferença prevista no § 2º do art. 3º da Resolução CMN nº 4.817/2020, será submetida ao tratamento tributário conferido ao ágio por rentabilidade futura (goodwill) a que se referem o inciso III do caput do art. 20 do Decreto-Lei nº 1.598/1977, e o inciso III do caput do art. 178 da Instrução Normativa RFB nº 1700/2017.

(Ato Declaratório Executivo COSIT nº 29/2021 – DOU 1 de 29.10.2021)
Fonte: IOB Editorial